meus olhos

julho 14, 2010

“e o brilho que eu forjava nos meus olhos. ”

forjado. by Paula Bauab

forjado. by Paula Bauab

forjado. by Paula Bauab

forjado. by Paula Bauab

………………………………….. ……………………..soundtrack joan jett/i hate myself for lovin u

Anúncios

Quase sempre

julho 13, 2010

E aqui,
Desfalecidos e circunstancialmente inertes,
Somos a prova viva da expressão,
Tarde demais para nos tornarmos santos -,
Mas,
Flagrando você me olhar assim,
Começo a crer na ressurreição.
No teu ressuscitar ereto.
Eu estou quase sempre pronta.
Quase sempre.
Tenho certeza que vai ser ainda melhor.
Acho que agora eu quero morrer e viver contigo para sempre.
Vem.

Tarde Demais – 3 na massa

nossa, faz um tempão que eu não publico nada da minha pequena lista de grandes fotógrafos!

hoje, Antoine D’ Agata

Antoine D' Agata

Antoine D' Agata

Antoine D' Agata

Antoine D' Agata

Antoine D' Agata

Antoine D' Agata

Antoine D' Agata

Antoine D' Agata

Antoine D' Agata

Antoine D' Agata

fotógrafo francês membro da agência Magnum. “A fotografia de Antoine D’Agata, ao mesmo tempo em que explora o tradicional fotojornalismo, sua técnica incontestável e objetiva, converte-se em aspectos capazes de surpreender a todos. Ele fotografa os locais onde acredita que a vida pulse.”

mais fotos no site da magnum

……………………………… ………………….. ……………..soundtrack barulho da chuva
ps: blog referencia

grandes indiferentes…

julho 13, 2010

quase completando 24 invernos…

ganhei 2 presentes incriveis!

um copo de cólera - Raduan Nassar

“… já foi o tempo em que via a convivência como viável, só exigindo deste bem comum, piedosamente, o meu quinhão, já foi o tempo em que consentia num contrato, deixando muitas coisas de fora sem ceder contudo no que me era vital, já foi o tempo em que reconhecia a existência escandalosa de imaginados valores, coluna vertebral de toda ‘ordem’; mas não tive sequer o sopro necessário, e, negado o respiro, me foi imposto o sufoco; é esta consciência que me libera, é ela hoje que me empurra, são outras agora minhas preocupações, é hoje outro o meu universo de problemas; num mundo estapafúrdio – definitivamente fora de foco – cedo ou tarde tudo acaba se reduzindo a um ponto de vista, e você, que vive paparicando as ciências humanas, nem suspeita que paparica uma piada: impossível ordenar o mundo dos valores, ninguém arruma a casa do capeta; me recuso pois a pensar naquilo em que não mais acredito, seja o amor, a amizade, a família, a igreja, a humanidade; me lixo com tudo isso! me apavora ainda a existência, mas não tenho medo de ficar sozinho, foi conscientemente que escolhi o exílio, me bastando hoje o cinismo dos grandes indiferentes…”

modernismo - Peter Gay

O mo­der­nis­mo “deu aos ar­tis­tas a li­ber­da­de de le­var a sé­rio su­as fan­ta­si­as de in­su­bor­di­na­ção, de en­ca­rar com in­di­fe­ren­ça os câ­no­nes que por tan­tos sé­cu­los ha­vi­am di­ta­do os te­mas e as téc­ni­cas, de de­ci­dir se era o ca­so de mo­di­fi­car — ou, mais ra­di­cal­men­te, de der­ru­bar — os cri­té­rios vi­gen­tes, e que se­ri­am eles a em­pre­en­der a re­vo­lu­ção”.

Peter Gay

…………………. . ……………..soundtrack the Beatles

bob carlos clarke

And you know she will trust you
for you’ve touched her perfect body with your mind…

novelos da vida

junho 30, 2010

josé saramago

faz uma semana que um dos meus escritores preferidos morreu. José Saramago vai fazer falta na minha vida, vou re-ler alguns livros, acho que vou começar por A Caverna. Acho uns dos livros mais angustiantes e porque não pessimistas. Infelizmente estou sem o livro por perto para roubar um dos milhares trechos grifados mas recorri ao google:

“Autoritárias, paralisadoras, circulares, às vezes elípticas,
as frases de efeito, também jocosamente denominadas
de pedacinhos de ouro, são uma praga maligna,
das piores que têm assolado o mundo.
Dizemos aos confusos,
Conhece-te a ti mesmo, como se conhecer-se
a si mesmo não fosse a quinta e mais dificultosa
operação das aritméticas humanas,
dizemos aos abúlicos, Querer é poder, como se as
realidades bestiais do mundo não se divertissem
a inverter todos os dias a posição relativa dos
verbos, dizemos aos indecisos, Começar pelo
princípio, como se esse princípio fosse a ponta
sempre visível de um fio mal enrolado que
bastasse puxar e ir puxando até chegarmos
à outra ponta, a do fim, e como se, entre a
primeira e a segunda, tivéssemos tido nas
mãos uma linha lisa e contínua em que não
havia sido preciso desfazer nós nem
desenredar estrangulamentos, coisa
impossível de acontecer na vida dos novelos
e, se uma outra frase de efeito é permitida,
nos novelos da vida.”

o jornal Folha de São Paulo entrevistou o escritor na época do lançamento do livro, ele deu a seguinte declaração:

“Quando digo que as pessoas que estão na caverna somos todos nós é porque damos muito mais atenção às imagens do que àquilo que a realidade é. Estamos lá dentro olhando uma parede, vendo sombras e acreditando que elas são reais.”

separei uma das várias dedicatórias que Saramago fez a sua esposa Pilar em seu livro Pequenas Memórias:

“A Pilar que ainda não havia nascido e tanto tardou a chegar”.

…………….. …. …soundtrack Leonardo Cohen


repito

junho 30, 2010

Inez van Lamsweerde e Vinoodh Matadin

Inez van Lamsweerde e Vinoodh Matadin

Inez van Lamsweerde e Vinoodh Matadin

Inez van Lamsweerde e Vinoodh Matadin

repito: simples e lindo!

……………………………………. . ……………soundtrack Leonard Cohen/Suzanne

a monotonia de tudo

junho 21, 2010

Prá acabar de vez
Com essa disritmia…

monotonia

a. by Paula Bauab

………………. ……….soundtrack Leonard Cohen

quente como asfalto

junho 19, 2010

testando.

Camila Bittencourt. by Paula Bauab

Camila Bittencourt. by Paula Bauab

Camila Bittencourt. by Paula Bauab

Camila Bittencourt. by Paula Bauab

Camila Bittencourt. by Paula Bauab

…………………. . ……………… no soundtrack

trecho da entrevista com a escritora Iris da Silva –A Memória Afetiva das Plantas – para a revista BRAVO! deste mês (junho):

Você já amou?

Amar? Não.  Amar, não. Uma vez me descreveram o  amor. Coração pulsante, coração selvagem, coração aflito. Deve ser assombroso o amor. Bom? Ruim? Quente? Frio? Assombroso…  Também me contaram que, em certos momentos, o amor faz chorar. Uma chuvinha fina…

Ou grossa. Depende…

Depende. De qualquer modo, o amor chove. Foi o que me contaram. Não chove?”

Margo Ovcharenko

” Esse jogo não vai acabar
É bom de se jogar
Nós dois
Um a um”

(Arnaldo Antunes, Carlinhos Brown, Marisa Monte)

…………………….. …………. …soundtrack Arnaldo Antunes/Um a UM

eu lembro da primeira vez que eu vi o filme. era numa sala pequena do Espaço Unibanco, alguém incrível tinha indicado o filme. o filme era Moça com Brinco de Pérola que narra a hitória do quadro com o mesmo nome do pintor Jan Vermeer.

Jan Vermeer van Delft (1632-1675)

“pertence a uma geração depois de Rembrandt. era lento e meticuloso. não pintou muito quadros em sua vida. e poucos representam uma cena importante. a maioria deles exibe figuras simples num aposento de uma casa tipicamente holandesa. alguns não mostram mais do que uma figura solitária entregue a um afazer simples. seus quadros são, na realidade, naturezas-mortas incluindo seres humanos. é difícil explicar as razões que fazem de uma tela tão simples e despretensiosa uma das maiores obras-primas de todos os tempos. é o modo pelo qual Vermeer consegue completa e laboriosa procisão na reprodução de texturas, cores e formas, sem que o quadro tenha jamais o aspecto elaborado ou rude. como um fotógrafo que deliberadamente suaviza os contrastes fortes de uma foto sem com isso anuviar as formas. Vermeer também suavizou os contornos e, não obstante, reteve o efeito de solidez e firmeza. é essa combinação estranha e ímpar de suavidade e precisão que torna tão inesquecíveis  as suas melhores pinturas. elas nos fazem ver a serena beleza de uma cena simples com novos olhos e nos dão uma idéia do que o artista sentiu ao observar a luz jorrando através da janela e realçando a cor de uma peça sobre o pano.”

Gombrich – A história da Arte

a leiteira. Jan Vermeer

moça com brinco de pérola. Jan Vermeer

o concerto. Jan Vermeer

vista de delft. Jan Vermeer

o filme

conta a história da relação do pintor Jan Vermeer com a sua então empregada Moça com o Brinco de Pérola. é uma filme bem bacana porque é historicamente fiel. ele traz a atriz Scarlett Johansson praticamente irreconhecivel. mostra os processos de preparação de tinta, a maneira que o ator observa as formas, a maneira que ele trabalha com a luz e a sombra. é legal ver os quadros se transfomando. a fotografia do filme é perfeita e tem uma cena do filme que eu considero o melhor beijo não dado do cinema.

trecho vermeer ensiando luz e sombra

…………………………. ………….. ……Soundtrack Caldeira da Sta. Casa

.:born free :.

junho 1, 2010

o novo clipe da cantora M.I.A já havia despertado a atenção de todos (inclusive a minha) quando na Folha Ilustada (13/05/2010) saiu um especial sobre o diretor do clipe.

o nome do cara já era familiar, Romain Gravas. Ele havia dirigido o clipe da música STRESS da banda JUSTICE que também traz ritmos e cenas violentas assim como no clipe Born Free.

‘ Ele foi taxado de sensacionalista e irresponsável. Acusado de incitar a violência e a homofobia. Tudo por conta de dois videoclipes que dirigiu contendo cenas traumáticas de agressão e de morte.’

o clipe Born Free foi inspirado no seu próximo filme REDHEADS, que conta a história de 2 ruivos que odeiam tudo e todos. Os dois tentam ir pra Irlanda  para criar um novo país para eles.

romain é filho do também diretor de cinema Constantin Costa Gravas, grego naturalizado francês. Ganhou Globo de Ouro e Oscar com o filme Z que denunciava os abusos da ditadura militar na Grécia. O diretor é conhecido por seus filmes de denúncia política.

o diretor de Born Free também tem uma irmã cineasta, Julie Gravas, que dirigiu maravilhosamente o filme A Culpa é do Fidel.

leia a reportagem completa da Folha Ilustrada

…………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………..

……………. . ……….soundtrack The Dead Weather/Cut Like a Bufalo

é incrivel viver com gente incrivel! ela tem um radinho, desses de pilha, desses bem vagabundos, desses que tem em qualquer barraquinha de camelo. ela o nomeou de MACABÉA. achei genial. pra quem prestou vestibular alguma vez na vida sabe que a Macabéa é a personagem do livro A Hora da Estrela, de Clarice Lispector (ó eu aqui falando dela denovo!).  Macabéa é uma virgem, de 19 anos, sem estudos que veio de alagoas para a cidade grande. ve a vida como uma coisa que apenas é porque é: já que sou, o jeito é ser. “gosta de acordar mais cedo aos domingos para ficar mais tempo sem fazer nada”. vivia em tanta mesmice que de noite não se lembrava do que acontecera de manhã.

“(…) passava o resto do dia representando com obediência o papel de ser”.

“Ouvia na Rádio Relógio que havia sete milhões de pessoas no mundo. Ela se sentia perdida. Mas com a tendência que tinha para ser feliz logo se consolou: havia 7 milhões de pessoas para ajudá-la”.

“Ria por não se lembrar em chorar”.

macabea. by Paula Bauab

agora para pra pensar. quantas macabéas vocês conhecem? não precisa ser nenhuma nordestina e virgem. tem muita gente que tem muita coisa, muito estudo, muito dinheiro, muito tudo e simplesmente existe.

………….. . ……………Soundtrack Belle & Sebastian / Beautiful

Depois de tanta espera e confusão o Camera Obscura finalmente aterrisou em São Paulo para dois belos shows no Studio SP , Tracyanne Campbell vocalista da banda levou ao tão caloroso público um repertório inesperado de 17 músicas algo que só se viu em Tokio ou na Cidade do México.
A musa inspiradora e ex-namorada de
Stuart Murdoch, líder do Belle & Sebastian levou para nós, desde  os hits como French Navy, Lets Get e Out of This Country, ate as inesperadas Keep it clean e Don’ t do Crowds. Foi uma bela noite tirando alguns imprevistos da producão mas que não deixou os fãs menos felizes. Para uma banda escocesa formada em glasgow em 1996 eles pareciam bem timidos no começo, mas ao longo das musicas o calor dos fãs esquentaram esses que vieram de uma terra gelada e chuvosa.

Especial por Felipe Muzachi (@muzachi)

camera obscura. by Paula Bauab

camera obscura. by Paula Bauab

camera obscura. by Paula Bauab

camera obscura. by Paula Bauab

camera obscura. by Paula Bauab

camera obscura. by Paula Bauab

camera obscura. by Paula Bauab

… pra quem não conhece o som!

……………. . ………Soundtrack Camera Obscura

o jeito é ser

maio 23, 2010

“já que sou, o jeito é ser” C.L

sou. by Paula Bauab

ser. by Paula Bauab

(…)

vista do meu novo (velho) quarto.

…………………….. . . …………..soundtrack arnaldo antunes/ as melhores coisas de vida