eu lembro da primeira vez que eu vi o filme. era numa sala pequena do Espaço Unibanco, alguém incrível tinha indicado o filme. o filme era Moça com Brinco de Pérola que narra a hitória do quadro com o mesmo nome do pintor Jan Vermeer.

Jan Vermeer van Delft (1632-1675)

“pertence a uma geração depois de Rembrandt. era lento e meticuloso. não pintou muito quadros em sua vida. e poucos representam uma cena importante. a maioria deles exibe figuras simples num aposento de uma casa tipicamente holandesa. alguns não mostram mais do que uma figura solitária entregue a um afazer simples. seus quadros são, na realidade, naturezas-mortas incluindo seres humanos. é difícil explicar as razões que fazem de uma tela tão simples e despretensiosa uma das maiores obras-primas de todos os tempos. é o modo pelo qual Vermeer consegue completa e laboriosa procisão na reprodução de texturas, cores e formas, sem que o quadro tenha jamais o aspecto elaborado ou rude. como um fotógrafo que deliberadamente suaviza os contrastes fortes de uma foto sem com isso anuviar as formas. Vermeer também suavizou os contornos e, não obstante, reteve o efeito de solidez e firmeza. é essa combinação estranha e ímpar de suavidade e precisão que torna tão inesquecíveis  as suas melhores pinturas. elas nos fazem ver a serena beleza de uma cena simples com novos olhos e nos dão uma idéia do que o artista sentiu ao observar a luz jorrando através da janela e realçando a cor de uma peça sobre o pano.”

Gombrich – A história da Arte

a leiteira. Jan Vermeer

moça com brinco de pérola. Jan Vermeer

o concerto. Jan Vermeer

vista de delft. Jan Vermeer

o filme

conta a história da relação do pintor Jan Vermeer com a sua então empregada Moça com o Brinco de Pérola. é uma filme bem bacana porque é historicamente fiel. ele traz a atriz Scarlett Johansson praticamente irreconhecivel. mostra os processos de preparação de tinta, a maneira que o ator observa as formas, a maneira que ele trabalha com a luz e a sombra. é legal ver os quadros se transfomando. a fotografia do filme é perfeita e tem uma cena do filme que eu considero o melhor beijo não dado do cinema.

trecho vermeer ensiando luz e sombra

…………………………. ………….. ……Soundtrack Caldeira da Sta. Casa

Hoje fui até o MASP para ver a exposição do Rodin e também as fotos do Walker Evans.

Confesso que sempre tive uma certa grande antipatia pelo senhor Auguste Rodin, friso que é pelo senhor Rodin e não pelo obra dele, mas depois eu conto o porque do meu desdém pela pessoa do escultor.

“Rodin (1840-1917). Como era um ardente estudioso da estatuária clássica e de Miguel Ângelo, não houve necessariamente um conflito fundamental entre ele e a arte tradicional. De fato, Rodin logo se tornou um mestre consagrado e gozou de celebridade pública como um artista tão grande, senão maior, quanto qualquer outro do seu tempo. Contudo, mesmo as suas obras foram alvo de violentas controvérsias entre os críticos e frequentemente consideradas lado a lado com as dos rebeldes impressionistas. A razão pode tornar-se clara se observarmos  um de seus retratos. Tal como eles, preferia deixar algo para a imaginação do espectador. Por vezes, deixava até parte da pedra em bruto para dar a impressão de que a sua figura estava emergindo e ganhando forma naquele preciso momento. ”

A História da Arte de Gombrich

A exposição do MASP possiu algumas esculturas de Rodin mas a grande parte do acervo consiste em fotografias. Além de seu papel como testemunha, a fotografia permitia ao escultor distanciar-se e adiquirir novos olhares sobre suas obras. Rodin trabalhou com grandes fotografos ligados a escola pictorialista como Edward Steichen (oum), Haweis e Coles.

O Beijo por Rodin

Rodin por Steichen

bom como eu disse no começo eu não tenho amor por Auguste. Tudo começou quando assisti ao filme Camille Claudel, que conta a história de uma jovem que muda para Paris para se dedicar a escultura. Um professor comenta com Camille que o trabalho que ela fazia era muito parecido com um escultor chamadooooo….quem adivinha??? Auguste Rodin…ela conhece o escultor e começa a trabalhar com ele (eu li que os trabalhos deles são tão parecidos que não dá para saber quem influencia quem nas obras) bom nessa história de convivencia ela com 19 anos vira amante dele com 45 anos. O Rodin era um puta galinha, mulherengo, nunca quis se casar com ela, ele dizia que era porque ele tinha que ficar ao lado de sua fiel companheira dos tempos de crise (eu também li por ai que na verdade ele não tinha coragem de ficar com ela por que ela era uma puta escultura, super inteligente e linda!resumindo um BABACA!). O  fato é que a coitada da Camille não soube lidar com o desprezo do colega e ficou deprimida, trancou-se em sua casa junto a seus gatos. Vivia sem dinheiro, com roupas velhas e bebada. O preconceito da sociedade também contribuiu para a “doença” de Camille, ninguém aceitava o fato dela ser escultora e mulher. Em 1913 foi internada em um hospício onde viveu por 30 anos!!!!!!

em um blog achei um trecho de uma carta …

“Minha Camille, esteja segura de que não tenho nenhuma outra amiga e toda minha alma lhe pertence”, escreve Rodin.

Camille responde: “Deito-me nua para imaginar que está ao meu lado, mas quando acordo já não é a mesma coisa”.

ahhh…É MUITO TRISTE!!

Camille Claudel

escultura de Camille Claudel

ahh! o filme é D+ de lindo é com Isabelle Adjani fazendo Camille Claudel e com Gérard Depardieu como Auguste Rodin.

Acho que boa parte do filme (senão for ele inteiro) está disonível no youtube.
……………………….. . ……….. . ..Soundtrack Chuva sem fim em SP