grandes indiferentes…

julho 13, 2010

quase completando 24 invernos…

ganhei 2 presentes incriveis!

um copo de cólera - Raduan Nassar

“… já foi o tempo em que via a convivência como viável, só exigindo deste bem comum, piedosamente, o meu quinhão, já foi o tempo em que consentia num contrato, deixando muitas coisas de fora sem ceder contudo no que me era vital, já foi o tempo em que reconhecia a existência escandalosa de imaginados valores, coluna vertebral de toda ‘ordem’; mas não tive sequer o sopro necessário, e, negado o respiro, me foi imposto o sufoco; é esta consciência que me libera, é ela hoje que me empurra, são outras agora minhas preocupações, é hoje outro o meu universo de problemas; num mundo estapafúrdio – definitivamente fora de foco – cedo ou tarde tudo acaba se reduzindo a um ponto de vista, e você, que vive paparicando as ciências humanas, nem suspeita que paparica uma piada: impossível ordenar o mundo dos valores, ninguém arruma a casa do capeta; me recuso pois a pensar naquilo em que não mais acredito, seja o amor, a amizade, a família, a igreja, a humanidade; me lixo com tudo isso! me apavora ainda a existência, mas não tenho medo de ficar sozinho, foi conscientemente que escolhi o exílio, me bastando hoje o cinismo dos grandes indiferentes…”

modernismo - Peter Gay

O mo­der­nis­mo “deu aos ar­tis­tas a li­ber­da­de de le­var a sé­rio su­as fan­ta­si­as de in­su­bor­di­na­ção, de en­ca­rar com in­di­fe­ren­ça os câ­no­nes que por tan­tos sé­cu­los ha­vi­am di­ta­do os te­mas e as téc­ni­cas, de de­ci­dir se era o ca­so de mo­di­fi­car — ou, mais ra­di­cal­men­te, de der­ru­bar — os cri­té­rios vi­gen­tes, e que se­ri­am eles a em­pre­en­der a re­vo­lu­ção”.

Peter Gay

…………………. . ……………..soundtrack the Beatles

Anúncios

eu lembro da primeira vez que eu vi o filme. era numa sala pequena do Espaço Unibanco, alguém incrível tinha indicado o filme. o filme era Moça com Brinco de Pérola que narra a hitória do quadro com o mesmo nome do pintor Jan Vermeer.

Jan Vermeer van Delft (1632-1675)

“pertence a uma geração depois de Rembrandt. era lento e meticuloso. não pintou muito quadros em sua vida. e poucos representam uma cena importante. a maioria deles exibe figuras simples num aposento de uma casa tipicamente holandesa. alguns não mostram mais do que uma figura solitária entregue a um afazer simples. seus quadros são, na realidade, naturezas-mortas incluindo seres humanos. é difícil explicar as razões que fazem de uma tela tão simples e despretensiosa uma das maiores obras-primas de todos os tempos. é o modo pelo qual Vermeer consegue completa e laboriosa procisão na reprodução de texturas, cores e formas, sem que o quadro tenha jamais o aspecto elaborado ou rude. como um fotógrafo que deliberadamente suaviza os contrastes fortes de uma foto sem com isso anuviar as formas. Vermeer também suavizou os contornos e, não obstante, reteve o efeito de solidez e firmeza. é essa combinação estranha e ímpar de suavidade e precisão que torna tão inesquecíveis  as suas melhores pinturas. elas nos fazem ver a serena beleza de uma cena simples com novos olhos e nos dão uma idéia do que o artista sentiu ao observar a luz jorrando através da janela e realçando a cor de uma peça sobre o pano.”

Gombrich – A história da Arte

a leiteira. Jan Vermeer

moça com brinco de pérola. Jan Vermeer

o concerto. Jan Vermeer

vista de delft. Jan Vermeer

o filme

conta a história da relação do pintor Jan Vermeer com a sua então empregada Moça com o Brinco de Pérola. é uma filme bem bacana porque é historicamente fiel. ele traz a atriz Scarlett Johansson praticamente irreconhecivel. mostra os processos de preparação de tinta, a maneira que o ator observa as formas, a maneira que ele trabalha com a luz e a sombra. é legal ver os quadros se transfomando. a fotografia do filme é perfeita e tem uma cena do filme que eu considero o melhor beijo não dado do cinema.

trecho vermeer ensiando luz e sombra

…………………………. ………….. ……Soundtrack Caldeira da Sta. Casa

.:born free :.

junho 1, 2010

o novo clipe da cantora M.I.A já havia despertado a atenção de todos (inclusive a minha) quando na Folha Ilustada (13/05/2010) saiu um especial sobre o diretor do clipe.

o nome do cara já era familiar, Romain Gravas. Ele havia dirigido o clipe da música STRESS da banda JUSTICE que também traz ritmos e cenas violentas assim como no clipe Born Free.

‘ Ele foi taxado de sensacionalista e irresponsável. Acusado de incitar a violência e a homofobia. Tudo por conta de dois videoclipes que dirigiu contendo cenas traumáticas de agressão e de morte.’

o clipe Born Free foi inspirado no seu próximo filme REDHEADS, que conta a história de 2 ruivos que odeiam tudo e todos. Os dois tentam ir pra Irlanda  para criar um novo país para eles.

romain é filho do também diretor de cinema Constantin Costa Gravas, grego naturalizado francês. Ganhou Globo de Ouro e Oscar com o filme Z que denunciava os abusos da ditadura militar na Grécia. O diretor é conhecido por seus filmes de denúncia política.

o diretor de Born Free também tem uma irmã cineasta, Julie Gravas, que dirigiu maravilhosamente o filme A Culpa é do Fidel.

leia a reportagem completa da Folha Ilustrada

…………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………..

……………. . ……….soundtrack The Dead Weather/Cut Like a Bufalo

Depois de tanta espera e confusão o Camera Obscura finalmente aterrisou em São Paulo para dois belos shows no Studio SP , Tracyanne Campbell vocalista da banda levou ao tão caloroso público um repertório inesperado de 17 músicas algo que só se viu em Tokio ou na Cidade do México.
A musa inspiradora e ex-namorada de
Stuart Murdoch, líder do Belle & Sebastian levou para nós, desde  os hits como French Navy, Lets Get e Out of This Country, ate as inesperadas Keep it clean e Don’ t do Crowds. Foi uma bela noite tirando alguns imprevistos da producão mas que não deixou os fãs menos felizes. Para uma banda escocesa formada em glasgow em 1996 eles pareciam bem timidos no começo, mas ao longo das musicas o calor dos fãs esquentaram esses que vieram de uma terra gelada e chuvosa.

Especial por Felipe Muzachi (@muzachi)

camera obscura. by Paula Bauab

camera obscura. by Paula Bauab

camera obscura. by Paula Bauab

camera obscura. by Paula Bauab

camera obscura. by Paula Bauab

camera obscura. by Paula Bauab

camera obscura. by Paula Bauab

… pra quem não conhece o som!

……………. . ………Soundtrack Camera Obscura

nesse fimdesemana tive o agradavél prazer de ir ao prédio da FIESP e ver a exposição da fotógrafa Maureen Bisilliat. ela nasceu na Inglaterra em 1931. estudou pintura em Paris e Nova York. mudou-se para o Brasil em 57 onde trocou a pintura pela fotografia, trabalhou na revista Realidade, da editora Abril. maureen faz paralelos de livros e fotografia, se inspirou em autores como João Guimarães Rosa, Euclides da Cunha, Jorge Amado para poder desenvolver seus trabalhos fotograficos. o trabalho da fotógrafa está exposto na FIESP, na AV. Paulista, a exposição está bem completa e muito emocionante, vale a pena reservar uma tarde pra passar um tempinho legal vendo as fotos dela. eu fiquei por 3 horas admirando o trabalho. achei demais! as fotos que eu selecionei hoje nao representa 1/10 do que ela faz.

Maureen Bisilliat

Maureen Bisilliat

Maureen Bisilliat

Maureen Bisilliat

Maureen Bisilliat

Maureen Bisilliat

Maureen Bisilliat

Maureen Bisilliat

Maureen Bisilliat

…………………… . ………… . …………..Soundtrack Regina Spektor/Us

sumi! sim, sumi! é porque os dias têm sido curtos e tensos. segunda me ocorreu um fato inusitado, óbviu e previsível pra quem vive em São Paulo, eu fui assaltada! foi a primeira vez em 6 anos! eu dei motivo, eram 8 da noite e eu caminhava em direção ao MAM com um tripé na mão, eu não tinha onde enfiar o tripé, ele é grande! fui abordada por dois caras, a poucos metros da entrada. um era alto o outro baixo não estavam armados, falaram pra eu não gritar e para eu passar a camera, eu olhei com cara de desdém, ha até parece que eu ia passar a minha camera, bom ai dei meu celular e eles sairam correndo. eu fiquei passada com a minha reação, eu podia ter gritado, dado com o tripé na cabeça do FDP, mas não, eu simplesmente dei meu celular. depois descobri que custava mais caro q minha camera! AI Q ÓDIO! mas ok!

agora me perguntem. o que uma menina faz com um tripé na mão as oito da noite no ibirapuera? estou matriculada no curso do Gal Oppido lá no MAM, só teve uma aula até agora e eu já achei animal. primeiro é porque é com o Gal que é um puta fotógrafo, segundo é porque o cara além de tudo é legal e bom professor, terceiro é porque o nome do curso é lindo LUZ MARGINAL PROCURA CORPO VAGO (vcs sabem q eu amo títulos), quarto é porque o cara ensina a fotografar com luz simples e eu que adoro complicar to tentando aprender a simplificar!

o importante é que vale a pena! olha as fotos do Gal. escolhi umas aletórias, para conhecer mais do trabalho dele e sobre ele acesse o site: Gal Oppido

Gal Oppido

Gal Oppido

Gal Oppido

Gal Oppido

Gal Oppido

Gal Oppido

Gal Oppido

Gal Oppido

Gal Oppido

Gal Oppido

Gal Oppido

Gal Oppido

…………….  …………..Soundtrack black lips/bad kids

World Press 2010

fevereiro 12, 2010

olhaa gente

o resultado do premio WORLD PRESS

quando eu voltar do carnaval faço um post especial sobre o premio!